*É um Lusófono com L grande? Então adira ao MIL: vamos criar a Comunidade Lusófona!*
BLOGUE DO MIL: MOVIMENTO INTERNACIONAL LUSÓFONO

Participe também nas nossas páginas "facebook":

http://www.facebook.com/groups/2391543356/
http://www.facebook.com/groups/168284006566849/

E veja os nossos vídeos:
http://www.youtube.com/movimentolusofono

Apoiado por muitas das mais relevantes personalidades da nossa sociedade civil, o MIL é um movimento cultural e cívico registado notarialmente no dia quinze de Outubro de 2010, que conta já com mais de 40 milhares de adesões de todos os países e regiões do espaço lusófono. Entre os nossos órgãos, eleitos em Assembleia Geral, inclui-se um Conselho Consultivo, constituído por uma centena de pessoas, representando todo o espaço da lusofonia.
Defendemos o reforço dos laços entre os países e regiões do espaço lusófono – a todos os níveis: cultural, social, económico e político –, assim procurando cumprir o sonho de Agostinho da Silva: a criação de uma verdadeira comunidade lusófona, numa base de liberdade e fraternidade.

SEDE: Palácio da Independência, Largo de São Domingos, nº 11 (1150-320 Lisboa)
NIB: 0036 0283 99100034521 85; IBAN: PT50 0036 0283 9910 0034 5218 5; BIC: MPIOPTPL; NIF: 509 580 432

Caso pretenda aderir ao MIL, envie-nos um e-mail: adesao@movimentolusofono.org (indicar nome e área de residência). Para outros assuntos: info@movimentolusofono.org. Contacto por telefone: 967044286.

"Trata-se, actualmente, de poder começar a fabricar uma comunidade dos países de língua portuguesa"

"Trata-se, actualmente, de poder começar a fabricar uma comunidade dos países de língua portuguesa"
Trata-se, actualmente, de poder começar a fabricar uma comunidade dos países de língua portuguesa, política essa que tem uma vertente cultural e uma outra, muito importante, económica.

A direita me considera como da esquerda; esta como sendo eu inclinado à direita; o centro me tem por inexistente. Devo estar certo.


Agostinho da Silva

domingo, 19 de agosto de 2018

Índia - Embaixadora em Lisboa quer promover ligação entre portugueses e indianos


A embaixadora indiana em Lisboa, Nandini Singla, afirmou que o relacionamento político entre Portugal e Índia é «fantástico» e defendeu que falta agora «ligar» os dois povos



«Entre governos está tudo fantástico», disse à agência Lusa a diplomata indiana, salientando a «ótima relação e cooperação» entre Portugal e Índia e a «boa relação entre primeiros-ministros».

No entanto, sublinhou: «É também importante criar uma conexão entre as nossas gentes, por isso é que estamos a celebrar este 'Festival da Índia', onde toda a gente pode vir e sentir aquilo que é a Índia».

A zona de Belém, em Lisboa, acolheu esta o 'Festival da Índia', uma iniciativa que assinalou os 71 anos da independência do país, e que deu a conhecer a diversidade cultural indiana, com mostras de gastronomia, música, danças e yoga.

Nandini Singla revelou que os acordos alcançados durante a visita do primeiro-ministro, António Costa, à Índia, e do seu homólogo indiano, Narendra Modi, a Lisboa, ambas no ano passado, resultaram numa cooperação económica que envolve também países do continente africano.

«Na área da economia, estamos a aumentar as trocas e negociações, não apenas entre a Índia e Portugal, mas também na forma como as companhias indianas e portuguesas podem trabalhar juntas em África, por exemplo», referiu a embaixadora.

Segundo Singla, foi também lançado, na semana passada, um intercâmbio entre empresas 'startups' indianas e portuguesas, que poderão trabalhar durante três meses nos países parceiros.

A cooperação vai, no entanto, mais longe, com a diplomata a dar o exemplo do programa juvenil de intercâmbio entre os dois países.

«Há muitos jovens na Índia e, no ano passado, começámos este primeiro programa de intercâmbio juvenil com 10 jovens. Foi o primeiro programa de sempre de intercâmbio juvenil para um país da União Europeia. Portugal foi o primeiro. Ainda este ano, será a vez de os jovens portugueses irem à Índia, em reciprocidade à visita dos jovens indianos», anunciou a diplomata. In “Revista Port. Com” - Portugal

Sem comentários: