*É um Lusófono com L grande? Então adira ao MIL: vamos criar a Comunidade Lusófona!*
BLOGUE DO MIL: MOVIMENTO INTERNACIONAL LUSÓFONO

Participe também nas nossas páginas "facebook":

http://www.facebook.com/groups/2391543356/
http://www.facebook.com/groups/168284006566849/

E veja os nossos vídeos:
http://www.youtube.com/movimentolusofono

Apoiado por muitas das mais relevantes personalidades da nossa sociedade civil, o MIL é um movimento cultural e cívico registado notarialmente no dia quinze de Outubro de 2010, que conta já com mais de 40 milhares de adesões de todos os países e regiões do espaço lusófono. Entre os nossos órgãos, eleitos em Assembleia Geral, inclui-se um Conselho Consultivo, constituído por uma centena de pessoas, representando todo o espaço da lusofonia.
Defendemos o reforço dos laços entre os países e regiões do espaço lusófono – a todos os níveis: cultural, social, económico e político –, assim procurando cumprir o sonho de Agostinho da Silva: a criação de uma verdadeira comunidade lusófona, numa base de liberdade e fraternidade.

SEDE: Palácio da Independência, Largo de São Domingos, nº 11 (1150-320 Lisboa)
NIB: 0036 0283 99100034521 85; IBAN: PT50 0036 0283 9910 0034 5218 5; BIC: MPIOPTPL; NIF: 509 580 432

Caso pretenda aderir ao MIL, envie-nos um e-mail: adesao@movimentolusofono.org (indicar nome e área de residência). Para outros assuntos: info@movimentolusofono.org. Contacto por telefone: 967044286.

"Trata-se, actualmente, de poder começar a fabricar uma comunidade dos países de língua portuguesa"

"Trata-se, actualmente, de poder começar a fabricar uma comunidade dos países de língua portuguesa"
Trata-se, actualmente, de poder começar a fabricar uma comunidade dos países de língua portuguesa, política essa que tem uma vertente cultural e uma outra, muito importante, económica.

A direita me considera como da esquerda; esta como sendo eu inclinado à direita; o centro me tem por inexistente. Devo estar certo.


Agostinho da Silva

quinta-feira, 27 de outubro de 2016

MIL-Notícias, Moçambique...

Pobreza diminui em Moçambique mas ainda atinge metade da população

A percentagem de pessoas abaixo da linha de pobreza em Moçambique baixou de 51,7% para 46,1% entre 2009 e 2015, mas a desigualdade entre zonas rurais e urbanas aumentou, indica um relatório oficial enviado hoje à Lusa.

O documento, intitulado Quarta Avaliação Nacional da Pobreza e Bem-Estar, produzido pelo Ministério da Economia e Finanças, indica que nas zonas urbanas a percentagem de pessoas abaixo da linha de pobreza diminuiu de 46,8% para 37,4% e nas zonas rurais passou de 53,8% para 50,1%.
Apesar de revelar uma redução no geral, o documento, baseado nos dados do Inquérito de Orçamento Familiar 2014/15 e que inquiriu mais de 11.000 famílias, não aborda a atual conjuntura económica do país, marcada pela subida do custo de vida, desvalorização do metical e o aumento da inflação.
O relatório avança que, entre 1997 e 2015, a desigualdade nas áreas urbanas e rurais aumentou devido a diferenças educacionais e de rendimento.
As províncias de Niassa, Cabo Delgado e Nampula, no norte de Moçambique, registaram um aumento do número de pessoas abaixo da linha da pobreza, um facto associado às calamidades naturais que devastaram a região entre 2014 e 2015.
De acordo com o documento, nas províncias de Niassa, Cabo Delgado e Nampula o número de pessoas abaixo da linha da pobreza aumentou, respetivamente, de 33% para 60,6%, de 39% para 44,8 % e de 51,4% para 57,1 por cento.
As cheias que afetaram as províncias na época chuvosa de 2015 e 2014, comprometendo 65 mil hectares de culturas agrícolas e deixando o norte do país às escuras durante três meses, são apontadas como uma das principais causas do aumento do número de pessoas abaixo da linha da pobreza.
O desenvolvimento do capital humano, a promoção do emprego e melhoria da produtividade e competitividade e a construção de infraestruturas económicas e sociais são apontados no documento como condições para baixar os níveis de pobreza em Moçambique.
Além disso, o documento sugere que o Governo moçambicano intensifique a educação nutricional, melhorando a qualidade dos alimentos, bem como a maximização do impacto das iniciativas existentes para melhoria da produção e produtividade agrícolas.
Diário Digital com Lusa

Sem comentários: