*É um Lusófono com L grande? Então adira ao MIL: vamos criar a Comunidade Lusófona!*
BLOGUE DO MIL: MOVIMENTO INTERNACIONAL LUSÓFONO

Participe também nas nossas páginas "facebook":

http://www.facebook.com/groups/2391543356/
http://www.facebook.com/groups/168284006566849/

E veja os nossos vídeos:
http://www.youtube.com/movimentolusofono

Apoiado por muitas das mais relevantes personalidades da nossa sociedade civil, o MIL é um movimento cultural e cívico registado notarialmente no dia quinze de Outubro de 2010, que conta já com mais de 40 milhares de adesões de todos os países e regiões do espaço lusófono. Entre os nossos órgãos, eleitos em Assembleia Geral, inclui-se um Conselho Consultivo, constituído por uma centena de pessoas, representando todo o espaço da lusofonia.
Defendemos o reforço dos laços entre os países e regiões do espaço lusófono – a todos os níveis: cultural, social, económico e político –, assim procurando cumprir o sonho de Agostinho da Silva: a criação de uma verdadeira comunidade lusófona, numa base de liberdade e fraternidade.

SEDE: Palácio da Independência, Largo de São Domingos, nº 11 (1150-320 Lisboa)
NIB: 0036 0283 99100034521 85; IBAN: PT50 0036 0283 9910 0034 5218 5; BIC: MPIOPTPL; NIF: 509 580 432

Caso pretenda aderir ao MIL, envie-nos um e-mail: adesao@movimentolusofono.org (indicar nome e área de residência). Para outros assuntos: info@movimentolusofono.org. Contacto por telefone: 967044286.

"Trata-se, actualmente, de poder começar a fabricar uma comunidade dos países de língua portuguesa"

"Trata-se, actualmente, de poder começar a fabricar uma comunidade dos países de língua portuguesa"
Trata-se, actualmente, de poder começar a fabricar uma comunidade dos países de língua portuguesa, política essa que tem uma vertente cultural e uma outra, muito importante, económica.

A direita me considera como da esquerda; esta como sendo eu inclinado à direita; o centro me tem por inexistente. Devo estar certo.


Agostinho da Silva

sábado, 21 de fevereiro de 2015

Moçambique e Timor já integram plataforma comum da língua portuguesa

      
Moçambique e Timor já integram plataforma comum da língua portuguesa

Os vocabulários de Moçambique e Timor-Leste já integram a plataforma comum criada pelo Instituto Internacional da Língua Portuguesa (IILP), a que Cabo Verde se juntará em maio, adiantou hoje a diretora deste organismo.

Desde quarta-feira, estão disponíveis quatro vocabulários nacionais -- de Portugal, Brasil, Moçambique e Timor-Leste -- na plataforma Vocabulário Ortográfico Comum (VOC), disponível para consulta pública através do portal do IILP, organismo da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP).
Em declarações à Lusa, à margem do seminário "Projeção Internacional da Língua Portuguesa: presente e futuro", que hoje se realizou na sede da CPLP, em Lisboa, a diretora executiva do IILP adiantou que o vocabulário de São Tomé e Príncipe "já está parcialmente elaborado", mas precisa ainda da "validação das autoridades nacionais".
Marisa Mendonça destacou "a inexistência de recursos humanos" para "o trabalho profundo de lexicografia" necessário à construção do VOC, para justificar os ritmos "diferentes" dos países lusófonos.
Trata-se de "um processo em desenvolvimento", frisou. "Não sabemos dar informações" sobre Angola, disse, realçando, porém, que o governo de Luanda "disponibilizou fundos" para que o projeto "fosse levado avante".
O VOC -- que será "permanentemente atualizado" - é a plataforma que alberga os instrumentos que determinam legalmente a ortografia da língua portuguesa e foi oficialmente reconhecido pelos Estados-Membros da CPLP nas conclusões finais da X Conferência de chefes de Estado e de Governo da CPLP, em julho de 2014, em Timor-Leste.
O VOC -- explicou Marisa Mendonça -- "mostra a singularidade dos vocabulários nacionais" e, simultaneamente, "a pluralidade da língua portuguesa", tentando uniformizar a escrita, por exemplo acabando com a dupla grafia de palavras.
Originária de Moçambique, Marisa Mendonça recorre à palavra "capulana" como exemplo. Comum em Moçambique, pois designa os panos coloridos que as mulheres atam à cintura, a palavra "capulana" é mais rara nos restantes países lusófonos.
"Este é um empreendimento gigantesco, inovador, pioneiro, sobretudo para os países africanos lusófonos, e que significa muito trabalho", destaca Marisa Mendonça, acrescentando que o VOC vai receber em breve também terminologias científicas.
Marisa Mendonça disse ainda que o IILP vai prosseguir com dois outros projetos: o Portal do Professor de Português Língua Estrangeira, plataforma eletrónica que oferece a professores recursos e materiais para o ensino e a aprendizagem do português; e a revista Platô, periódico semestral, em formato digital, de acesso público e gratuito.
"Esta direção continua a considerá-los como projetos bandeira do IILP, que foram muito bem pensados e bem iniciados. O nosso compromisso agora é conversar com as instituições parceiras a forma de desenvolver estes projetos", disse.
Presente no mesmo seminário, o presidente do Conselho Científico do IILP, Raúl Calane Silva, defendeu que os Governos dos países da CPLP "devem empenhar-se cada vez mais nos projetos, mesmo a nível financeiro".
As comissões científicas nacionais junto do IILP reuniram-se esta semana, em Lisboa, para discutir questões de ordem científica, técnica e burocrática.
"Um dos grandes propósitos agora é dinamizar as comissões nacionais do IILP em relação a estes projetos principais e também a outros para a consolidação e expansão da língua portuguesa", realçou Calane Silva.
Diário Digital com Lusa

1 comentário:

OCTÁVIO DOS SANTOS disse...

E assim se implementa um neo-colonialismo...