*É um Lusófono com L grande? Então adira ao MIL: vamos criar a Comunidade Lusófona!*
BLOGUE DO MIL: MOVIMENTO INTERNACIONAL LUSÓFONO

Participe também nas nossas páginas "facebook":

http://www.facebook.com/groups/2391543356/
http://www.facebook.com/groups/168284006566849/

E veja os nossos vídeos:
http://www.youtube.com/movimentolusofono

Apoiado por muitas das mais relevantes personalidades da nossa sociedade civil, o MIL é um movimento cultural e cívico registado notarialmente no dia quinze de Outubro de 2010, que conta já com mais de 40 milhares de adesões de todos os países e regiões do espaço lusófono. Entre os nossos órgãos, eleitos em Assembleia Geral, inclui-se um Conselho Consultivo, constituído por uma centena de pessoas, representando todo o espaço da lusofonia.
Defendemos o reforço dos laços entre os países e regiões do espaço lusófono – a todos os níveis: cultural, social, económico e político –, assim procurando cumprir o sonho de Agostinho da Silva: a criação de uma verdadeira comunidade lusófona, numa base de liberdade e fraternidade.

SEDE: Palácio da Independência, Largo de São Domingos, nº 11 (1150-320 Lisboa)
NIB: 0036 0283 99100034521 85; IBAN: PT50 0036 0283 9910 0034 5218 5; BIC: MPIOPTPL; NIF: 509 580 432

Caso pretenda aderir ao MIL, envie-nos um e-mail: adesao@movimentolusofono.org (indicar nome e área de residência). Para outros assuntos: info@movimentolusofono.org. Contacto por telefone: 967044286.

"Trata-se, actualmente, de poder começar a fabricar uma comunidade dos países de língua portuguesa"

"Trata-se, actualmente, de poder começar a fabricar uma comunidade dos países de língua portuguesa"
Trata-se, actualmente, de poder começar a fabricar uma comunidade dos países de língua portuguesa, política essa que tem uma vertente cultural e uma outra, muito importante, económica.

A direita me considera como da esquerda; esta como sendo eu inclinado à direita; o centro me tem por inexistente. Devo estar certo.


Agostinho da Silva

segunda-feira, 22 de abril de 2013

Moçambique anuncia construção de porto de águas profundas


O primeiro-ministro moçambicano, Alberto Vaquina, anunciou que o Governo concessionou as obras de construção do porto moçambicano de águas profundas na Ponta de Techobanine, a cerca de 60 quilómetros de Maputo, que deverá estar concluído em 2015.




Alberto Vaquina, que falava durante a 3.ª Conferência Anual do Porto de Maputo, não revelou o nome da entidade que vai executar as obras de construção do porto, projecto avaliado em sete mil milhões de dólares, a serem desembolsados pelos governos de Moçambique e do Botsuana.
"A implantação do porto Techobanine constitui um desafio ao nosso sector de Educação, particularmente no ensino técnico profissional, que deverá assegurar a formação de quadros para integrar o sector portuário", considerou o governante.
Concebido ainda no período colonial, o projecto do porto de águas profundas de Techobanine foi anunciado em 2010 pelo Governo moçambicano e envolve a construção de uma linha ferroviária, com uma extensão de 1.100 quilómetros, que vai ligar o Botsuana a Moçambique.
Com a construção das duas infra-estruturas, pretende-se criar condições para a exportação de minerais oriundos do Botsuana, devendo os projectos servir também a África do Sul e o Zimbabué.
A ser construído, o porto de Techobanine vai ficar localizado no interior da Reserva Natural de Elefantes de Maputo e da Reserva Especial Marinha da Ponta d´Ouro, facto que tem preocupado alguns ambientalistas.
Na Ponta de Techobanine está localizado um dos oito maiores recifes de corais do mundo.
Recentemente, o consultor internacional de meio ambiente Ian Macdonald considerou a proposta como "louca".
"Já arruinámos vários estuários importantes na Baía de Maputo e em Richards Bay, (Namíbia). Parece não haver fim para a loucura do desenvolvimento", disse Macdonald.
Segundo o consultor ambiental que trabalhou em Moçambique, as propostas originais da década de 1960 e 1990 envolviam a explosão de uma abertura através de recifes de corais e dunas costeiras para formar uma ligação entre o lago Piti e o Oceano Índico, criando-se assim o porto de águas profundas.
Diário Digital com Lusa

Sem comentários: