*É um Lusófono com L grande? Então adira ao MIL: vamos criar a Comunidade Lusófona!*
BLOGUE DO MIL: MOVIMENTO INTERNACIONAL LUSÓFONO

Participe também nas nossas páginas "facebook":

http://www.facebook.com/groups/2391543356/
http://www.facebook.com/groups/168284006566849/

E veja os nossos vídeos:
http://www.youtube.com/movimentolusofono

Apoiado por muitas das mais relevantes personalidades da nossa sociedade civil, o MIL é um movimento cultural e cívico registado notarialmente no dia quinze de Outubro de 2010, que conta já com mais de 40 milhares de adesões de todos os países e regiões do espaço lusófono. Entre os nossos órgãos, eleitos em Assembleia Geral, inclui-se um Conselho Consultivo, constituído por uma centena de pessoas, representando todo o espaço da lusofonia.
Defendemos o reforço dos laços entre os países e regiões do espaço lusófono – a todos os níveis: cultural, social, económico e político –, assim procurando cumprir o sonho de Agostinho da Silva: a criação de uma verdadeira comunidade lusófona, numa base de liberdade e fraternidade.

SEDE: Palácio da Independência, Largo de São Domingos, nº 11 (1150-320 Lisboa)
NIB: 0036 0283 99100034521 85; IBAN: PT50 0036 0283 9910 0034 5218 5; BIC: MPIOPTPL; NIF: 509 580 432

Caso pretenda aderir ao MIL, envie-nos um e-mail: adesao@movimentolusofono.org (indicar nome e área de residência). Para outros assuntos: info@movimentolusofono.org. Contacto por telefone: 967044286.

"Trata-se, actualmente, de poder começar a fabricar uma comunidade dos países de língua portuguesa"

"Trata-se, actualmente, de poder começar a fabricar uma comunidade dos países de língua portuguesa"
Trata-se, actualmente, de poder começar a fabricar uma comunidade dos países de língua portuguesa, política essa que tem uma vertente cultural e uma outra, muito importante, económica.

A direita me considera como da esquerda; esta como sendo eu inclinado à direita; o centro me tem por inexistente. Devo estar certo.


Agostinho da Silva

sexta-feira, 16 de dezembro de 2011

Angola é o país africano com mais mortes associadas à malária

Cabo Verde, que em 2010 entrou na fase de pré-eliminação da malária, registou 47 casos prováveis e confirmados de malária e uma morte, tendo sido um dos oito países da região, juntamente com São Tomé e Príncipe, a obter na última década uma redução superior a 50 por cento no número de casos confirmados e de mortes devido à malária.

Argélia, Botsuana, Namíbia, Ruanda, África do Sul, e Suazilândia foram os restantes países, aos quais se junta a região de Zanzibar, na Tanzânia.

Segundo a OMS, em todos estes países as reduções na mortalidade estão associadas a intensas intervenções para controlo da doença. Na sub-região da África ocidental, Senegal, Cabo Verde e São Tomé e Príncipe são os exemplos mais claros da relação entre a intervenção e o seu impacto, revela a OMS.

A organização considera que o esforço de São Tomé e Príncipe é elevado na área do diagnóstico, com a taxa anual de análises ao sangue a atingir 30 por cento, muito acima dos restantes países daquela sub-região. Tanto Cabo Verde como São Tomé e Príncipe têm uma grande cobertura de pulverização intra-domiciliar com inseticida de ação residual (IRS) e em São Tomé este método é utilizado juntamente com as redes mosquiteiras impregnadas de inseticida.

São Tomé e Príncipe registou, em 2010, 2.262 casos prováveis e confirmados e 14 mortes associadas à malária. Em 2000, o número de casos era de 32 mil. Quanto a Cabo Verde, o número de casos prováveis e confirmados diminuiu de 144 para 47 em dez anos.

No extremo oposto da lista de países africanos onde a malária é endémica estão a Nigéria, com 197 mil mortes registadas, o Quénia, com 26 mil, e a República Democrática do Congo, com 23 mil.

Angola, com 8.114 mortes, ocupa o nono lugar da lista. O número de casos prováveis e confirmados não só não diminuiu nos últimos dez anos, como aumentou, de dois milhões em 2000 para 2,78 milhões no ano passado.

Moçambique ocupa o 14.º lugar, com 3.354 mortos. Apesar de a OMS não ter registo de dados sobre Moçambique em 2000, os números de 2007 apontam para um total de 6,1 milhões de casos prováveis e confirmados, valores que diminuíram para 1,5 milhões em 2010.

O relatório destaca ainda que Moçambique registou a mais baixa cobertura de redes mosquiteiras e pulverização com inseticida da sub-região da África oriental e conclui que é necessário mais investigação para entender como é que ainda assim se registou uma diminuição do número de infeções.

Seis países da região africana, incluindo a Guiné-Bissau, não forneceram este ano dados sobre as mortes provocadas pela malária.

Quanto aos restantes países lusófonos, o Brasil registou 74 mortes associadas à malária e 334 mil casos prováveis e confirmados, quando em 2000 este número era de 613 mil.

Por seu lado, em Timor-Leste, houve 58 mortes e 119 mil casos prováveis e confirmados, um grande aumento face aos 15 mil casos de 2000. A OMS recorda que se registou um grande aumento na realização de testes de diagnóstico nesta década no país, pelo que é difícil perceber qual é a verdadeira tendência na incidência da malária.

Fonte: Notícias Lusófonas

Sem comentários: