*É um Lusófono com L grande? Então adira ao MIL: vamos criar a Comunidade Lusófona!*
BLOGUE DO MIL: MOVIMENTO INTERNACIONAL LUSÓFONO

Participe também nas nossas páginas "facebook":

http://www.facebook.com/groups/2391543356/
http://www.facebook.com/groups/168284006566849/

E veja os nossos vídeos:
http://www.youtube.com/movimentolusofono

Apoiado por muitas das mais relevantes personalidades da nossa sociedade civil, o MIL é um movimento cultural e cívico registado notarialmente no dia quinze de Outubro de 2010, que conta já com mais de 40 milhares de adesões de todos os países e regiões do espaço lusófono. Entre os nossos órgãos, eleitos em Assembleia Geral, inclui-se um Conselho Consultivo, constituído por uma centena de pessoas, representando todo o espaço da lusofonia.
Defendemos o reforço dos laços entre os países e regiões do espaço lusófono – a todos os níveis: cultural, social, económico e político –, assim procurando cumprir o sonho de Agostinho da Silva: a criação de uma verdadeira comunidade lusófona, numa base de liberdade e fraternidade.

SEDE: Palácio da Independência, Largo de São Domingos, nº 11 (1150-320 Lisboa)
NIB: 0036 0283 99100034521 85; IBAN: PT50 0036 0283 9910 0034 5218 5; BIC: MPIOPTPL; NIF: 509 580 432

Caso pretenda aderir ao MIL, envie-nos um e-mail: adesao@movimentolusofono.org (indicar nome e área de residência). Para outros assuntos: info@movimentolusofono.org. Contacto por telefone: 967044286.

"Trata-se, actualmente, de poder começar a fabricar uma comunidade dos países de língua portuguesa"

"Trata-se, actualmente, de poder começar a fabricar uma comunidade dos países de língua portuguesa"
Trata-se, actualmente, de poder começar a fabricar uma comunidade dos países de língua portuguesa, política essa que tem uma vertente cultural e uma outra, muito importante, económica.

A direita me considera como da esquerda; esta como sendo eu inclinado à direita; o centro me tem por inexistente. Devo estar certo.


Agostinho da Silva

sexta-feira, 22 de julho de 2011

Portugal & Angola

A política externa de Portugal é uma matéria de consenso e que, apesar das eleições legislativas de 5 de Junho, a prioridade de um relacionamento excelente, mutuamente vantajoso com Angola não é apenas de um único partido ou governo, mas do Estado e inteiramente compreendida pela sociedade portuguesa. A afirmação é de Paulo Portas que se encontra de visita a Angola

O ministro dos Negócios Estrangeiros de Portugal defendeu hoje, em Luanda, que as empresas portuguesas e angolanas deveriam projectar acções de carácter regional. Paulo Portas discursava durante o primeiro encontro de altos funcionários no quadro do Memorando de Consultas Políticas entre os dois países, que acontece pela primeira vez.

O chefe da diplomacia portuguesa referiu que isto permitirá aumentar e maximizar os mercados que estas querem atingir e onde, muitas vezes, é possível que o conhecimento, inovação e formação que as empresas portuguesas podem trazer como mais valias acabem por repercutir-se na capacidade de Angola afirmar-se ainda mais no quadro da economia regional em que está inserida.

Por isso, salientou os benefícios que esta cooperação de duas sociedades, que compreendem-se muito bem, no ponto de vista da região no continente africano. De acordo com o chefe da diplomacia portuguesa, os angolanos e portugueses devem ter a audácia e não devemos limitar a capacidade de desenvolvimento, mesmo nos quadros regionais, nas suas relações económicas.

O ministro Paulo Portas disse também que as relações entre os dois países são excelentes e apresentam um potencial de crescimento importante, mas este facto não deve tornar os governantes pessoas apenas satisfeitas com o que já têm, uma vez que podem fazer muito mais e torná-lo mais fluído.

Por outro lado, referiu que a política externa de Portugal é uma matéria de consenso e que, apesar das eleições legislativas de 5 de Junho, a prioridade de um relacionamento excelente, mutuamente vantajoso com Angola não é apenas de um único partido ou governo, mas do Estado e inteiramente compreendida pela sociedade portuguesa.

Por isso, reafirmou, de modo claro, o empenho, vontade e determinação do executivo em ter, no relacionamento com Angola, um caso verdadeiramente especial no quadro das relações externas de Portugal.

Isso, acrescentou, é compreensível por motivos da cultura em comum, mas também da extraordinária capacidade de projectar futuro vantajoso para os cidadãos de ambos os países.

Referiu que aqueles que têm responsabilidades políticas devem saber compreender, interpretar e maximizar este interesse mútuo, vontade de fazer projectos em conjunto que permitem desenvolver parcerias que são verdadeiramente estratégicas a todos os níveis.

Disse que há uma base inamovível em comum, que é a língua e cultura. «Estamos absolutamente convencidos que se trabalharmos em comum o português, que é uma língua de benefício cultural e económico para centenas de milhares de pessoas vai ser uma das línguas que consegue vencer na globalização», realçou.

Fonte: Notícias Lusófonas

Sem comentários: